Category Archives: Notícias

Outubro 2014

Porto de Lisboa, Marítimo-Turística crescimento de 41% comparativamente a 2013

Porto de Lisboa, Marítimo-Turística crescimento de 41% comparativamente a 2013A atividade marítimo-turística no Porto de Lisboa, comparativamente ao mesmo período do ano anterior, registou um crescimento de 41% nas licenças atribuídas, evidenciando assim a forte tendência de crescimento registada este ano.

No âmbito da prossecução dos objetivos estratégicos da APL, a atividade de Marítimo-Turística e ensino de vela desempenham um papel importante. É neste sentido que a APL vem colaborando com entidades que utilizam as Docas de Recreio para exercer a atividade marítimo-turística, incrementando relações de parceria e potenciais sinergias, criando e desenvolvendo as condições físicas necessárias, quer em terra quer no plano líquido, para o incremento desta atividade.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Rebocadores. As máquinas que trazem os barcos a bom porto

Rebocadores. As máquinas que trazem os barcos a bom portoPodem parecer as personagens secundárias de um filme ou mesmo os duplos que fazem o trabalho mais difícil sem receber os louros. Mas a verdade é que sem a força de um rebocador os grandes navios que todos os dias chegam ao Porto de Lisboa não atracavam com a pompa (e a segurança) que faz parar quem passeia pela zona ribeirinha da cidade. Basta entrar a bordo de um dos rebocadores da Svitzer, uma das empresas a operar no Porto de Lisboa, para perceber que o trabalho dos três membros da tripulação é digno de passadeira vermelha, cor que até predomina no local, tanto nos tons escolhidos para pintar as embarcações como nas centenas de contentores que enchem o cais.

No total são 12 os rebocadores que operam no principal terminal de transporte marítimo português. Estão encarregados de rebocar os navios que chegam em toda a área de jurisdição do Porto de Lisboa, entre a torre do Forte de São Julião da Barra e a ponte de Vila Franca de Xira. Apesar da extensa área, o trabalho acaba por se fixar mais na área comercial, entre Alcântara e Santa Apolónia.

O i deu início à viagem a partir do terminal de cruzeiros da Rocha Conde de Óbidos, numa iniciativa da Ciência Viva, que organiza visitas guiadas durante o mês de Setembro. Sete dos rebocadores do porto fazem parte da frota da Resistência, a única empresa concorrente da Svitzer, uma empresa internacional que opera em mais de 50 portos em 35 países. Em Portugal, a empresa mantém cinco rebocadores em Lisboa e dois em Sines. Subimos então a bordo do Leixões, deixando no cais o Lisboa, o Funchal, o Sines e o Montebelo, todos os nomes seguidos de Svitzer, neste caso o denominador comum das embarcações.

A tripulação de cada rebocador é composta por três elementos: o mestre, o marinheiro e o maquinista. Ao seguir de perto o mestre é fácil perceber que caem nele todas as responsabilidades de navegação. Na sala envidraçada de onde controla os comandos, Luís Filipe mantém a calma de quem trabalha no mar há 24 anos. “Fazemos em média sete a dez manobras por dia”, explica ao i, enquanto olha atentamente para o radar no qual só o olho clínico do mestre consegue decifrar rotas. “Estamos a passar perto do Terreiro do Paço e é neste ecrã que conseguimos acompanhar as movimentações à nossa volta. Cada triangulozinho que aqui aparece corresponde a um barco que se aproxima. Ao clicar percebemos todas as informações sobre cada um deles”, referiu. Atrás de uma mesa cheia daquilo que parecem botões, números e vozes que saem de intercomunicadores, Luís decifra rapidamente os objectos enquanto vai apontando para cada um: joystick de controlo de navegação, ponteiros que indicam a rotação das máquinas e hélices, ecrãs que mostram a pressão de ar e os telefones de ligação ao porto. Aprendida a lição e já com o rebocador de novo em terra, descemos até à casa das máquinas, o centro de onde sai a força de uma embarcação de ferro que pode chegar às 600 toneladas. Júlio Laranjeiro é o maquinista de serviço e garante que, apesar da complexidade do trabalho para quem vê os instrumentos pela primeira vez, “é um motor que funciona quase como o de um carro”. O responsável está encarregado de pôr a embarcação a funcionar, accionando todos os comandos, mas depois de dado o arranque tem de sair do local. “É um calor quase insuportável”, garante. Como uma espécie de ajudante para todo o serviço está ainda a bordo o marinheiro. Sobre ele recai a tarefa de articular os trabalhos entre o mestre e o maquinista e é ele quem passa a linha entre o rebocador e o outro navio, fazendo a ligação entre as embarcações para que seja feito o reboque.

Apesar das 600 toneladas de ferro parecerem já em si um peso de respeito, a verdade é que é capaz de manobrar barcos com um tamanho bastante superior. “O truque está no facto de o barco flutuar, ou seja, não é puxado o peso em bruto. Além disso, proporcionalmente, apesar de mais pequeno que o navio, o rebocador tem um motor muito mais potente”, explicou ao i Eduardo dos Santos, director de operações da Svitzer Portugal. O responsável trabalha na parte administrativa há pouco mais de um ano, depois de décadas em alto mar. É tudo uma questão de perspectiva, garante: “Em vez de ser eu a chegar, fico a ver chegar.”

A visita não fica completa sem a passagem pelas acomodações da tripulação, com cinco camaratas – operações mais complexas exigem mais trabalhadores – além de cozinha e sala de estar equipadas com computadores, aparelhagens e televisões. “É quase como uma segunda casa?”, questionamos. “Tendo em conta as horas que passamos aqui com os nossos companheiros, muitas vezes é a primeira”, ironiza o mestre Luís Filipe.

A reivindicação já era antiga mas o rebocador só chegou ao porto do Algarve este Verão. A embarcação atracou no porto de cruzeiros de Portimão em Junho, depois de a Administração dos Portos de Sines e do Algarve terem assinado um contrato de licenciamento com a empresa de reboques portuários Svitzer. A primeira solicitação do serviço aconteceu em Agosto, coincidindo com a primeira escala de um navio de cruzeiro, confirmou ao i fonte da administração dos portos.

A presença de um rebocador no litoral algarvio era, segundo os trabalhadores do porto, uma necessidade urgente. Em Janeiro, devido à falta deste serviço que ajudasse na manobra de entrada no porto e de atracagem, um navio de passageiros que regressava da passagem de ano na Madeira e deveria ter seguido directamente para Lisboa, teve de ficar atracado ao largo de Portimão durante dois dias.

Em 2013, o governo anunciou o investimento de 10 milhões de euros nos cinco anos seguintes para que o porto de Portimão pudesse receber navios de grande porte, o que não acontecia por falta de desassoreamento dos canais de navegação e de um rebocador. Já para Faro está prevista a requalificação do cais, para que dois navios possam operar em simultâneo, o que actualmente não acontece, e também a realização de trabalhos para melhorar os acessos ao canal de navegação.

O avanço nos investimentos poderá ter novo impulso com a integração dos portos algarvios na Administração do Porto de Sines, transferência aprovada em Janeiro. À nova entidade, denominada Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS, S.A.), são atribuídas as responsabilidades que até aqui cabiam ao Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM).
Ler mais/Fonte: ionline.pt

 

Os novos Porta-Aviões classe FORD da U.S. Navy

Os novos Porta-Aviões classe FORD da U.S. NavyNo dia 11 de Outubro de 2013, a filha do ex-presidente Gerald R. Ford carregou no botão para alagar a doca de construção dos estaleiros Newport News Shipbuilding, a fim de pôr a flutuar o novo porta-aviões CVN 78 GERALD R. FORD; o primeiro navio do programa CVN 21 destinado a substituir o já retirado CVAN 65 ENTERPRISE de 1961 e os igualmente gigantes da classe NIMITZ, cujo navio que dá o nome à classe faz agora 39 anos de serviço pois entrou ao serviço em 1975.

Ao todo, a U.S. Navy pretende ter 10 a 11 FORD até 2040 a 2050, devendo o primeiro estar concluido em 2015 ou 2016 e o segundo, o CVN 79 JOHN F. KENNEDY em 2019.

A nova classe está envolvida em várias polémicas. A primeira é que, para muitos pensadores militares e políticos norte-americanos, trata-se de navios demasiado grandes, caros e pouco numerosos. Muitos estrategas preferiam que a Navy viesse a ter uma vintena, ou mais, de porta-aviões mais pequenos para evitar uma catástrofe em caso de ataque e afundamento de algum dos novos navios com cerca de 100 mil tons de deslocamento, ainda mais que os NIMITZ, e uma guarnição de cerca de cinco mil almas. Contudo, a marinha americana possui uma apreciável quantidade de navios de assalto que são pequenos porta-aviões com a versão americana dos Harrier britânicos e que poderão levar os F-35 Lightning STOVL de descolagem muito curta, logo que estejam disponíveis.

Já nos anos 70 do século passado, as administrações Carter e Ford apresentaram ao Congresso os projetos do Alm. Zumwalt então empenhado em reduzir os custos dos grandes navios e evitar a contínua tendência para o gigantismo. Nessa altura apresentaram os planos do “Medium Aircraft Carrier Project” (CVV) que previa unidades de 45 a 59 mil tons de deslocamento médio, sem propulsão nuclear e suscetíveis de serem construídos em maior número porque uma unidade num teatro de operações significa ter três, ou seja, uma em manutenção e outra a navegar para ou do local em causa. De qualquer maneira, o projeto CVV mostrou que teria muitas falhas em termos de equipamento, velocidade e número de meios aéreos que seriam da ordem dos 50 em vez dos 90 da classe NIMITZ ou do seu antecessor único ENTERPRISE. Com duas catapultas a vapor, esses porta-aviões propulsionados a turbina a vapor veriam a sua velocidade reduzida sempre que tivessem de lançar muitos aviões para o ar.

A favor dos porta-aviões mais pequenos e em maior número militam hoje aqueles pensadores que admitem ataques assimétricos de aviões de comando remoto ou mísseis de cruzeiro suscetíveis de serem construídos por potências de “segunda classe”. Seriam “Kamikazes” em grande quantidade e de modo a saturarem as defesas de um porta-aviões. Os americanos, contudo, confiam na observação por satélite e em aviões de deteção antecipada e na possibilidade de a sua superior eletrónica conseguir anular as radiações eletromagnéticas de comando a grandes distâncias, tendo ainda algo “na 3165 02manga” para anular a aproximação de ameaças robotizadas ou comandadas à distância.

Outra controvérsia que foi lançada pela Associação dos Veteranos dos Porta-Aviões é a denominação das novas unidades, pois muitos dos antigos marinheiros estão contra o fato de se darem nomes de políticos de “segunda classe” (ex-presidentes), no seu entender, esquecendo nomes de navios que fizeram história na marinha americana como SARATOGA, YORKTOWN, HORNET , etc., cujos nomes gostariam de voltar a ver nos cascos das novas unidades.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

 

Novembro 2014

“Posso estar em alto-mar e comer um bom caldo-verde português”

"Posso estar em alto-mar e comer um bom caldo-verde português"Ricardo Diniz estreia-se na mítica Rota do Rum, prova de vela solitária que liga a França ao México. Espera fazer travessia em 24 dias.

“Há uns anos trabalhava nos barcos que iam participar na Route du Rhum, agora vou participar. Às vezes não acredito! Foi muito duro chegar aqui…” Foi assim que o velejador solitário, Ricardo Diniz, abriu o coração ao DN, dias antes de começar a mítica prova transatlântica, que liga St. Malo (França) a Guadalupe (México), desde 1978, a cada quatro anos, e que o português espera cumprir em 24 dias ou 21 “se tiver vento e mar a favor”…

É o primeiro português a fazer a travessia e não está habituado a tanta atenção. “Há milhares de pessoas nas docas, querem ver os barcos, tirar fotografias, pedir autógrafos, falar connosco. Para ter algum sossego estes dias só saindo incógnito, de gorro e roupa informal. É uma atenção muito boa, mas eu estou doido para ir para o mar e ficar sozinho”, confessa o velejador… solitário. Desta vez, vai ter a companhia de mais de 90 embarcações em alto-mar, desde os F1 à vela aos pequenos veleiros como o dele: “O barco é a minha ligação à vida. O mar por vezes é injusto, mas o barco nunca!”

Ricardo vai encarar o mar pela primeira vez em competição: “Para mim competir é chegar ao fim.” E assim que partir de St. Malo, no domingo, entra “em modo militar”. Ou seja, esquece o frio, a fome e o sono, porque o primeiro objetivo é “sobreviver à primeira semana!”. E esperam-no “dias muito duros” em alto-mar. “Nos primeiros dias vou estar quase sempre acordado. Durmo quatro horas por dia, 10 a 15 minutos de cada vez. Mas pela previsão do tempo, acho que nem isso vai dar. Está previsto um temporal na zona de França nos primeiros dias e ninguém vai dormir com medo de bater noutro barco ou afastar-se da rota”, contou.

Para estar alerta é essencial manter-se hidratado, beber muita água e ingerir suplementos vitamínicos. Apesar de ter uma alimentação cuidada “por norma”, durante a preparação para a prova o velejador preocupou-se em recuperar os sete quilos perdidos na expedição ao Brasil em junho: “Já sei que os vou perder outra vez!”
Ler mais/Fonte: dn.pt

 

Portugal quer investir no mar mas faltam marinheiros

Portugal quer investir no mar mas faltam marinheirosMário Ferreira, proprietário da Douro Azul, anda numa azáfama para encontrar comandantes e chefes de máquinas portugueses para integrar as tripulações dos dois navios que vão começar a operar na Amazónia em 2016.

“Em Portugal, há falta de comandantes e, mais do que isso, chefes de máquinas que estejam familiarizados com máquinas modernas. Quando existem, estão a trabalhar em companhias de cruzeiros internacionais”, lamentou o empresário, ao Dinheiro Vivo.

Em Portugal há apenas uma escola a formar marinheiros e as taxas de empregabilidade são de quase 100%: a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique (ENIDH), em Oeiras. Mas a dificuldade em encher os cursos agravou-se, desde 2012, quando passaram a ser obrigatórios exames de Matemática e Física para o acesso, e o fim dos subsídios aos armadores que recebiam estagiários deixa muitos recém-licenciados sem poder embarcar e, consequentemente, obter a carta de oficial.
Ler mais/Fonte: jn.pt

 

Um edifício, dois gigantes do surf e uma família: o futuro da estalagem Narciso

Um edifício, dois gigantes do surf e uma família: o futuro da estalagem Narciso decide-se esta semanaUm concurso para a reabilitação do antigo estabelecimento da praia de Carcavelos reacendeu uma antiga disputa entre a família e a autarquia. Pelo meio, há duas marcas de surf interessadas no espaço.

A praia de Carcavelos já está habituada a grandes duelos de surf, mas aquele que opõe a Quiksilver e a Billabong será talvez dos maiores a que a praia já assistiu – e também um dos mais controversos. O desafio é a reabilitação e futura exploração do edifício onde funcionou a antiga estalagem Narciso – e aquelas duas marcas de surf apresentaram projetos a concurso, cujo vencedor será anunciado na próxima sexta-feira, 31 de outubro. Só que a família Narciso, que explorou a estalagem até 2000, diz-se vítima de roubo e promete não desistir da propriedade do edifício.

A iniciativa do concurso partiu do Centro Recreativo e Cultural Quinta dos Lombos, cuja secção náutica já está instalada no edifício Narciso, que desde setembro do ano passado é o Cascais Surf Center, acolhendo diversas instituições ligadas à modalidade e ao bodyboard.

Falta agora recuperar o que resta do Narciso. “Vai ser um elemento icónico, fazendo a devida homenagem a toda a história ligada ao senhor Narciso que desenvolveu aquele espaço”, disse, na apresentação dos projetos, no início de outubro, Miguel Luz, vice-presidente da autarquia. A homenagem a Narciso Luíz Grave Júnior é merecida, mas não desta forma, defende Luís Narciso Félix, neto do construtor e primeiro proprietário do edifício, que foi erguido nos anos 1950 e encerrou ao público em agosto de 2000.

Nesse ano, o espaço viu-se forçado a fechar portas depois de uma inspeção sanitária ter concluído que não reunia as devidas condições para estar em funcionamento. Mas os problemas do Narciso terão começado em 1998, quando foi aprovado o Plano de Ordenamento da Orla Costeira de Cascais, segundo o qual a estalagem se encontrava em domínio público marítimo, o que tinha duas consequências. Por um lado, a estalagem passava para a propriedade do Estado. Por outro, a família era obrigada a fazer obras no espaço para não perder a concessão. “Os projetos tinham de ser aprovados pelo Ministério do Ambiente e pela câmara”, relata Luís Narciso, que acusa o município de nunca ter dado o seu aval aos trabalhos.

A câmara de Cascais confirma que o atual proprietário do edifício é o Estado, “como em todas as restantes concessões no domínio público marítimo”. A família, no entanto, não concorda e escuda-se numa licença de utilização do estabelecimento por 99 anos que teria sido entregue a Narciso Júnior e que, entretanto, terá desaparecido.
Ler mais/Fonte: observador.pt

 

 

Dezembro 2014

Veolia inicia desmantelamento de Jeanne d’Arc

Veolia inicia desmantelamento de Jeanne d'ArcApós ter ganho o concurso público europeu para o desmantelamento completo das embarcações Jeanne d’Arc e Colbert, a Veolia iniciou as operações de desmantelamento do antigo navio Jeanne d’Arc no Grande Porto Marítimo de Bordéus (GPMB).

O ciclo de trabalhos de 32 meses resulta de um investimento de 11.500 milhões de euros e incluirá a despoluição, desconstrução, valorização representando a reciclagem de mais de 90% do antigo navio de treino da Marinha Nacional de França. Está neste momento a ser implementada a despoluição, sendo que serão posteriormente necessários dez meses para remover completamente o amianto do casco antes de dar início à desconstrução completa do navio de 240 metros de comprimento, 35 metros de largura e 15 metros de altura, que levará seis meses para o corte, preparação, recuperação e eliminação de materiais.

“Estamos a apontar para uma taxa de recuperação de mais de 90% de materiais” anunciou Pascal Tissot, CEO da Bartin Recycling Group, filial da Veolia, responsável pela operação de desconstrução. “Incluindo sucata, metais não-ferrosos, resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos, cabos, madeiras.” Já os resíduos não recicláveis, como amianto e outros resíduos serão enviados para as respectivas unidades de tratamento e valorização.

Depois do casco de 9.000 toneladas do Jeanne d’Arc, será a vez do casco de 8.500 toneladas do navio de guerra Colbert de iniciar o mesmo processo de desconstrução e reciclagem.

mbos os trabalhos são demonstrativos da capacidade de mobilização da experiência da Veolia numa actividade industrial em franca expansão. “Estamos presentes no desmantelamento de navios, mas também em plataformas offshore, aeronaves e comboios”, afirmou Bernard Harambillet, CEO Veolia França Reciclagem e valorização de resíduos. “O nosso objectivo é propor soluções completas, agindo “
Ler mais/Fonte: ambientemagazine.com

 

OCEANO XXI reconhecida como Entidade Pública

OCEANO XXI reconhecida como Entidade PúblicaA Oceano XXI – Associação para o Conhecimento e Economia do Mar, assumiu o estatuto de Associação de Utilidade Pública, por Despacho n.º 12762/2014, publicado no Diário da República, 2ª série, n.º 202 de 20 de outubro de 2014, decisão que a sua Direção saúda vivamente.

Segundo a Presidência do Conselho de Ministros, pelo Decreto-lei n.º 460/77 de 7 de novembro de 1977, uma pessoa coletiva é considerada de Utilidade Pública “… caso prossiga fins de interesse geral, ou da comunidade nacional ou de qualquer região ou circunscrição, cooperando com a Administração Central ou a Administração Local, em termos de merecerem da parte da Administração a declaração de “Utilidade Pública.” (in Diário da República, 1ª série, n.º 257 de 7 de novembro de 1977).

esde 2009 que a Oceano XXI, entidade gestora do Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar, mantém ligações às Autoridades Portuguesas e assume o papel de uma das maiores promotoras da cooperação nacional e internacional, bem como intersectorial, entre diversas entidades públicas e privadas, centros de I&D e empresas ou associações empresariais.
Ler mais/Fonte: noticiasdomar.pt

 

Economia azul é o desafio para as próximas décadas

Economia azul é o desafio para as próximas décadasInserido no Dia Nacional do Mar, a Biblioteca Municipal Rocha Peixoto recebeu a Conferência “Os desafios do Mar”, por Miguel Marques, Partner da PwC e responsável pelo centro de competências da consultora para assuntos de economia do mar, na segunda-feira, dia 17, às 18h00.

Miguel Marques defende que a economia azul desempenhará um papel fundamental no crescimento dos países costeiros e será vital para aumento do emprego.

Miguel Marques sustenta que existem inúmeras oportunidades na economia do mar, em particular, nas indústrias relacionadas com transporte, portos e logística, energia, alimentação e abastecimento de água, bem como no turismo. No entanto, mais trabalhadores têm que ser formados e treinados nas profissões marítimas. Se devidamente aproveitado, o mar será vital na redução do desemprego.

Dada a sua localização privilegiada junto à costa marítima, a Póvoa de Varzim encontra-se no foco do grande desafio nacional das próximas décadas: o desenvolvimento da economia azul.

A Biblioteca Municipal desenvolveu ainda outros eventos na Póvoa de Varzim, entre 14 e 17 de novembro, comemorativos do Dia Nacional do Mar: a sessão “O MAR em versos” e a Mostra de livros “Conhecer o Mar” (no Diana Bar).
Ler mais/Fonte: cm-pvarzim.pt

 

 

Agosto 2014

Um mar de oportunidades

Um mar de oportunidadesA Imagens de Marca mergulhou numa das maiores riquezas do país: o mar. É este o mote para uma emissão especial que vai aprofundar conhecimentos sobre a importância da economia do Mar.

O setor representa cerca de 2,5% do PIB português mas a estratégia nacional do Mar pretende duplicar este valor até 2020. O país mais atlântico de toda a Europa procura alargar as suas fronteiras marítimas para reforçar a sua aposta em áreas como o Turismo ou as Pescas mas também em novas áreas em crescimento como as Energias Renováveis, a Biotecnologia ou a exploração dos fundos oceânicos.

O peixe português é apontado por muitos como o melhor do mundo, razão pela qual vamos conhecer uma das empresas do setor. Nascida em 1977 a Gelpeixe leva os sabores do peixe congelado português e internacional a diferentes pontos do globo.

A Inovação é um dos pilares fundamentais para o crescimento da Economia do Mar e aliada ao conhecimento científico, várias empresas conquistam o mundo através de algas nacionais… De produtos comestíveis à dermocosmética passando pelos biocombustíveis, as algas afirmam-se como uma mais-valia no mundo dos negócios.

Sem algas no mar mas com muitas ondas para surfar. Esta pode ser a premissa da Ahua, marca portuguesa que produz pranchas de surf inspiradas na tradição do Havai. Mas se até aqui este pode ser apenas mais uma marca, a verdade é que Nuno Mesquita, fundador da marca, desenvolveu um novo conceito de surf: as handplanes, pranchas que se utilizam nas mãos e permitem uma melhor prática para quem gosta de apanhar ondas com o próprio corpo, as chamadas carreirinhas. É a fórmula de sucesso de quem conseguiu juntar a paixão pelo surf e pela arquitetura num só desporto.
Ler mais/Fonte: imagensdemarca.sapo.pt

 

Registo MAR cresce no I Semestre de 2014

Registo MAR cresce no I Semestre de 2014 Os dados finais do primeiro semestre de 2014 relativos ao registo MAR revelam um conjunto de indicadores de grande relevância.

No total, a 30 de Junho de 2014, estão registadas no MAR 302 navios e embarcações, englobando navios de comércio, iates comerciais e iates de recreio. Este valor representa um aumento de 30 unidades em relação ao fim do primeiro trimestre de 2014, quando com um total de 272 navios e embarcações registadas o MAR atingia o maior número de registos desde o momento da sua criação no âmbito do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM). Trata-se de um balanço que, a exemplo do final de 2013, assinala de forma inequívoca uma das evoluções mais positivas do registo MAR.

Neste quadro, destaca-se, em particular, o crescimento de cerca de 30% no número dos navios de comércio registados, com relação ao período homólogo do ano anterior. Com efeito, a 30 Junho de 2013 estavam registados 155 navios de comércio, enquanto que, no fim dos primeiros seis meses de 2014, o MAR alcançou os 200 navios deste tipo. O aumento do número de novos navios e a consequente melhoria da qualidade da frota, o crescimento da tonelagem de arqueação bruta (TAB)e a diminuição da idade média dos navios (para 14 anos), apresentam igualmente indicadores interessantes que atestam as potencialidades do MAR para impulsionar a marinha mercante com bandeira nacional. A este título, note-se que a evolução da TAB no período em análise é outro dos dados importantes a reter, já que passou de um total de 1.653.620 para 3.472.826, o que corresponde a uma variação positiva de 110%. É de salientar que na sua larga maioria os navios registados são de países europeus, com tradição muito vincada nas actividades marítimas, sendo de sublinhar que no final do semestre o mercado alemão assegurava 46 % dos registos, o italiano 20 % e o espanhol 11%.

Para o crescimento sustentado do MAR muito têm contribuído as acções promocionais desenvolvidas nos diversos mercados pela S.D.M. enquanto entidade concessionária do CINM, pugnando sempre pela implementação das melhores práticas internacionais no sector. Neste particular, a parceria estratégica levada a cabo pela S.D.M. com a Euromar – EU Registry (uma empresa de capitais alemães, com uma vasta experiência no sector do transporte marítimo), concretizada no final do ano passado, para além de reforçar a promoção do Registo Internacional de Navios da Madeira, tem vindo a conferir um novo e forte impulso à competitividade e eficácia deste sector de actividade. Este sucesso, no entanto, não deve obliterar que, tendo em conta a estratégia integrada que Portugal tem procurado desenvolver no quadro da denominada “economia do mar”, o contributo do MAR para a marinha mercante nacional no plano mundial poderá ser ainda mais vincado.

Para o efeito, é importante que o País e respectivas entidades oficiais adoptem medidas para aumentar a sua competitividade, tais como a pronta e adequada ratificação por Portugal da Convenção Internacional do Trabalho Marítimo – MLC (2006) e, também, a adopção das melhores práticas internacionais quanto ao reconhecimento dos certificados dos oficiais com funções de gestão, medidas fundamentais para atribuir ao MAR condições de competitividade, pelo menos idênticas às verificadas nos outros registos marítimos europeus de qualidade com que tem de concorrer. Nesse sentido, apesar dos resultados já alcançados, a S.D.M., em articulação com o Governo Regional, tem procurado de forma constante e assertiva, designadamente junto da Secretaria de Estado do Mar, encontrar formas de ultrapassar os constrangimentos operacionais que ainda prejudicam a competitividade do Registo, e, logo, as suas condições de promoção e atractividade num sector altamente dinâmico a nível mundial.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Campeão olímpico aceitou o desafio de levar a Espanha ao título da Volvo

Campeão olímpico aceitou o desafio de levar a Espanha ao título da VolvoIker Martínez será, mais uma vez, o comandante da campanha espanhola na Volvo Ocean Race, repetindo a temporada 2011-12, quando foi o líder do Telefónica nas regatas. O velejador de 37 anos já estava na equipe, mas não tinha a intenção de assumir o comando. Iker Martínez faz campanha olímpica de Nacra 17, categoria que estreia nos Jogos de 2016. Ele venceu recentemente o europeu da classe. Com o foco novo para a Volvo Ocean Race, Iker Martínez e sua equipe já trabalham na Galícia para conquistar o título da edição 2014-15 da regata. Na temporada passada, o Team Telefónica esteve com a mão na taça, mas foi superado pelo Groupama nas pernas finais.

“Estou muito feliz em ser o comandante em mais um projeto. Levar a bandeira do meu país é um orgulho”, disse Iker Martínez. “Será um grande desafio por vários motivos, incluindo a dificuldade da regata e o pouco tempo de preparação até a largada, em 11 de outubro. Sabemos que corremos contra o tempo em relação aos outros times”. Iker Martínez foi campeão olímpico em Atenas-2004 na classe 49er, ao lado de Xabi Fernández, também companheiro de equipe na Volvo Ocean Race. Em Pequim-2008, a dupla ficou com a prata.

A campanha espanhola, além dos dois, terá os espanhóis Ñeti Cuervas-Mons e Rafa Trujillo, além do francês Nico Lunven. Outro francês, Michel Desjoyeaux, ajudará na preparação. “Temos sorte de contar com o Desjoyeaux. Ele tem um conhecimento muito grande da modalidade e vai nos ajudar nesse projeto”.

Michel Desjoyeaux é especialista em navegação em solitário. No seu currículo estão as participações em eventos como Vendée Globe, Solitaire du Figaro e Route du Rhum. O francês já correu a Volvo Ocean Race/Whitbread Round the World Race em 1985-86 (Cote d’Or), em 1989-90 (Charles Jourdan) e na temporada 1993-94 (La Poste). No próximo sábado (19), a equipe irá disputar a Volta das Ilhas Canárias. Além dos espanhóis, outras duas equipes da Volvo Ocean Race estarão na regata: Team Brunel e Team SCA. A Volvo Ocean Race 2014-15 começa em 4 de outubro deste ano com a In-port Race de Alicante, na Espanha. Foto: María Muñia
Ler mais/Fonte: nautica.com.br

 

 

Setembro 2014

XVIII Regata Internacional Canárias-Madeira

XVIII Regata Internacional Canárias-MadeiraA Madeira acolhe mais uma edição da Regata Internacional Canárias-Madeira, um verdadeiro intercâmbio cultural que junta centenas de amantes da prática de vela.

Trata-se de um dos mais antigos e maiores eventos desportivos realizado desde 1978 por iniciativa do Clube Naval do Funchal, numa coorganização com o Real Clube Náutico de Gran Canária, e que conta com o apoio do Turismo da Madeira, da APRAM – Portos da Madeira, entre outros. A partida oficial está agendada para o dia 9 de setembro a partir de Las Palmas de Gran Canaria.

O programa integra, entre outras atividades lúdicas, a Festa da Cerveja Coral, a decorrer na Marina do Funchal entre os dias 12 e 14 de setembro, e o II Torneio de Golfe/Regata Madeira-Canárias, com o qual se pretende divulgar o património natural da ilha, desde o mar até à serra, para além de diversos passeios a pé pela Floresta Laurissilva.

No dia 13 realizar-se-á na Quinta Calaça a cerimonia de entrega de prémios e o jantar de encerramento, seguido da “Festa Branca”, com a qual o Clube Naval assinala o final da época balnear.
Ler mais/Fonte: visitmadeira.pt

 

“Swim Challenge” regressa a Cascais

“Swim Challenge” regressa a CascaisCascais volta a ser palco de mais um evento desportivo de excelência, o Swim Challenge, competição de natação em águas abertas, agendado para 13 de setembro.

Com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, a prova organizada pela 3 Iron Sports, reúne os melhores atletas de natação em águas abertas, estimando-se a participação de 600 nadadores e afirmando-se já como uma referência no universo desportivo.

Orientado para profissionais e amadores, o Swim Challenge Cascais, que vai na sua 3ª edição, conta com quatro provas: Milh Open, com a presença dos melhores nadadores nacionais; Milha Cascais, aberta a todos os que queiram participar; e as provas Kids 400 metros e Kids 200 metros, destinadas a crianças entre os 7 e 15 anos.

As provas têm início a partir das 9h00. O prazo normal de inscrições decorre até dia 7 de Setembro em www.swim-challenge.com. São permitidas confirmações de última hora no dia e local da prova entre as 08h00 e as 08h30, com um acréscimo ao valor da inscrição.
Ler mais/Fonte: desportonalinha.com

 

Sines, Leixões e Lisboa entre os 200 principais portos de contentores do mundo

Sines, Leixões e Lisboa entre os 200 principais portos de contentores do mundoOs portos portugueses de Sines, Leixões e Lisboa estão entre o top 200 dos maiores portos de contentores do mundo, posicionando-se no 108º, 123º e 131º lugar, respectivamente. Em termos globais, os portos chineses continuam a liderar o ranking com uma quota de mercado de 34,9%.

Num recente estudo realizado pelo jornal espanhol “Transporte XXI”, os 200 portos de contentores do mundo movimentaram 557 milhões de TEUS em 2013, o que corresponde a um crescimento de 3,15% face a 2012. 37% deste tráfego foi captado pelos 10 primeiros portos, num total de 205 milhões de TEUS. O porto chinês de Xangai perdeu a liderança do ranking para Singapura, que volta assim a recuperar uma posição de destaque. Singapura cresceu 14% nos últimos três anos, tendo movimentado 34,3 milhões de TEUS, contra o porto de Xangai que movimentou 33,7 milhões. Nas primeiras 10 posições encontramos ainda os portos de Shenzhen, Hong Kong, Busan, Ningbo-Zhoushan, Quingdao,Guangzhou e Dubai.

A campanha espanhola, além dos dois, terá os espanhóis Ñeti Cuervas-Mons e Rafa Trujillo, além do francês Nico Lunven. Outro francês, Michel Desjoyeaux, ajudará na preparação. “Temos sorte de contar com o Desjoyeaux. Ele tem um conhecimento muito grande da modalidade e vai nos ajudar nesse projeto”.

Em termos mundiais assiste-se a uma clara liderança dos portos chineses, com um total de 177,5 milhões de TEUS movimentados, seguidos pelos portos norte-americanos, com 36,2 milhões. Entre os principais países europeus encontramos a Alemanha com 18,1 milhões de TEUS, Holanda, com 11,6 milhões, Bélgica, com 10,6 milhões, e Espanha com 10,4 milhões. Na 108º posição encontramos Sines com 931.037 TEUS, seguindo por Leixões, na125º posição, com 626.194 TEUS, e Lisboa, na 131º posição, com 549.302 TEUS.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

 

Julho 2014

Espanha na Volvo Ocean Race 2014-15

Espanha na Volvo Ocean Race 2014-15Iker Martinez e Xabi Fernandez voltam à regata à volta do Mundo – Volvo Ocean Race, para tentar a partir de Outubro próximo uma vitória.

Espanha, sede da Volvo Ocean Race, não podia ficar de fora desta mítica regata e nesta quinta-feira, dia 19 de Junho, confirmou o sxto braco para a Volta ao Mundo, que terá os campeões olímpicos Iker Martinez e Xabi Fernandez na tripulação. O patrocinador do barco ainda não foi definido, mas o empresário Pedro Campos, um dos principais patronos da vela mundial, confirmou a campanha espanhola na edição 2014-15, que começa em outubro com a in-port race de Alicante.

Os medalhados olímpicos Iker Martinez e Xabi Fernández, ouro em Atenas-2004 e prata em Pequim-2008 na classe 49er, terão a chance de reescrever a história da Volvo Ocean Race, já que na edição 2011-12, o Telefónica liderou boa parte da competição, mas a quebra do leme na penúltima etapa tirou as chances de título, que ficou para o Groupama, da França.

A regata, que começa em 4 de outubro, terá, além da equipa espanhola, as equipas do Abu Dhabi Ocean Racing, Dongfeng Race Team, Team Brunel, Team Alvimedica e Team SCA.
Ler mais/Fonte: mundonautico.pt

 

APSS e Associação Portuguesa do Património Marítimo com Protocolo de Cooperação

APSS e Associação Portuguesa do Património Marítimo com Protocolo de CooperaçãoA APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA e a APPM – Associação Portuguesa do Património Marítimo celebraram um Protocolo de Cooperação, com o objetivo da promoção e conservação do património marítimo de onde se distinguem as embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar.

Concretamente, o Protocolo permitirá a promover a sustentabilidade da conservação do Património Marítimo Histórico e Cultural Português e a recuperação e conservação das embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar, denominadas “Hiate de Setúbal”, “Zé Mário”, “ Pego do Altar” e “Riquitum”.Concretamente, o Protocolo permitirá a promover a sustentabilidade da conservação do Património Marítimo Histórico e Cultural Português e a recuperação e conservação das embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar, denominadas “Hiate de Setúbal”, “Zé Mário”, “ Pego do Altar” e “Riquitum”.

O Turismo Náutico é uma forte aposta da APSS, que tem vindo a ser desenvolvido em harmonia com as restantes atividades do Porto de Setúbal.O Turismo Náutico é uma forte aposta da APSS, que tem vindo a ser desenvolvido em harmonia com as restantes atividades do Porto de Setúbal.

Para além de outras iniciativas, destaca-se o lançamento da campanha de comunicação “Passeios no Sado” com o objetivo de reunir e divulgar, em diversos suportes de comunicação, informação sobre a atual oferta de passeios em embarcações no rio Sado, contribuindo para a captação de clientes regionais, nacionais e estrangeiros.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

Náutica de recreio e AEP no mesmo barco

Náutica de recreio e AEP no mesmo barcoO debate está lançado: o que fazer para dotar Portugal de uma estratégia colectiva que acelere a organização da fileira da náutica de recreio, capacitando-a para competir no mercado global? Foi esta a principal questão suscitada nas reuniões que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) levou a cabo nas últimas semanas, de Norte a Sul do país, para apresentar o projecto Portugal Náutico a agentes institucionais, operadores económicos, clubes e federações desportivas.

Trata-se do contributo que a AEP, em parceria com a Oceano XXI – Associação para o Conhecimento e Economia do Mar, pretende dar para que o país possa rentabilizar o enorme potencial do seu território hídrico (2.830 quilómetros de costa atlântica e 620 quilómetros quadrados de bacias em águas interiores). O projecto está em execução até meados do próximo ano e foi desenhado numa lógica agregadora, para promover o envolvimento de todas as entidades relacionadas com um universo de interesses identificado pela sigla MAR: mar, albufeiras e rios.

Isto mesmo foi realçado na recente apresentação pública do projecto, no I Encontro Portugal Náutico, que teve lugar, na Exponor, em Matosinhos, durante o 4.º Fórum do Mar. Em encontro prévio, o secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, ficou a conhecer as acções e os propósitos da iniciativa, que lhe mereceu todo o apoio.

Na mesma ocasião, o arquitecto naval português radicado em Inglaterra Tony Castro, que se tem notabilizado na cena náutica internacional pelas suas arrojadas embarcações de recreio, aceitou ser o embaixador do projecto, ajudando a promover o nosso país além-fronteiras.
Ler mais/Fonte: economico.sapo.pt

 

 

Junho 2014

O único cargueiro à vela do mundo

O único cargueiro à vela do mundoEntre as dezenas de embarcações ancoradas na marina da Horta, na ilha do Faial, o bergantim 3 Hombres , com os seus 32 metros de comprimento e altos mastros, chama a atenção de quem passa. À primeira vista, parece um navio deslocado no tempo, que remete para a época das epopeias marítimas, mas o seu objetivo é bem atual.

Concebido pelo austríaco Andreas Lackner e pelos holandeses Jorne Langelaan e Arjen Van der Veen, o projeto 3 Hombres pretende alertar para as “brutais emissões de gases tóxicos provocadas pela marinha mercante contemporânea”. É, atualmente, o único navio cargueiro sem motor a realizar transporte internacional de mercadorias, numa lógica não só de comércio justo mas também de transporte justo, um conceito que pretendem disseminar por todo o mundo.

“Quando chegamos a um novo destino, a primeira impressão dos habitantes é que somos um bando de hippies com ar de piratas mas, depois de explicarmos o nosso projeto, tudo muda”, afirma o capitão Lammert Osinga, 35 anos. E já se começou a espalhar a palavra, como constataram ao aportar pela primeira vez em Manaus, no Brasil. “Havia muita gente à nossa espera, para nos mostrar produtos que poderíamos trazer para a Europa”, recorda. A embarcação, com capacidade para 35 toneladas de carga, foi construída de raiz e à mão, segundo os métodos tradicionais, por mais de 100 voluntários de 25 países. Opera todo o ano entre a Europa, as ilhas do Atlântico, Caraíbas e América. Este ano, expandiu a sua rota até à Noruega, de onde trouxe bacalhau para Portugal. Pelo caminho, passou também por França, a fim de carregar barricas de vinho biológico, que irão envelhecer nos seus porões.

Em paralelo com o transporte de mercadorias, o 3 Hombres funciona como navio-escola. À tripulação profissional de sete elementos juntam-se oito estudantes, que começam por aprender o básico da marinharia à vela. Os alunos iniciam o programa no “degrau mais baixo da escada”, como refere Lammert, e, depois, vão evoluindo de acordo com o tempo a bordo. No final do curso, recebem um certificado, “que pode ir de marinheiro comum a capitão”.

Além de dar nome ao navio, a marca 3 Hombres expandiu-se para o sector alimentar, através da comercialização de chocolate e rum, adquiridos a produtores locais, nas Caraíbas, de acordo com as regras do comércio justo, e, depois, vendidos na Europa, onde se têm revelado um sucesso especialmente o rum de 15 anos, amadurecido a bordo, em barricas de carvalho, durante cinco meses.
Ler mais/Fonte: visao.sapo.pt

 

Achado arqueológico em Esposende

Achado arqueológico em EsposendeA mais recente situação de mau tempo, durante o último Inverno, com violenta ondulação na costa, pôs a descoberto um achado inédito, em Esposende, que tem vindo a ser recuperado e tratado pelo núcleo arqueológico da Camara Municipal, composto por traves de madeira pertencentes a navio ou navios ali naufragados, com destaque para munições de vários tipos e grande quantidade de artefactos em estanho e latão.

Neste achado foi determinante a acção responsável de uma família residente próximo à praia de Belinho, em S. Paio de Antas, cujo empenho na recolha dos artefactos e posterior comunicação à Camara Municipal merece um público louvor. Os materiais encontrados poderão estar eventualmente ligados a dois sinistros, um na Época Romana, com centenas de materiais cerâmicos, e um outro na Época Moderna (contemporânea ao período dos descobrimentos), de que fazem parte as peças da própria embarcação e a já citada larga quantidade de artefactos metálicos.

Toda a costa marítima de Esposende tem servido de palco ao longo dos anos a diversos tipos de sinistros marítimos, estando referenciadas numerosas situações de navios encalhados nos “Cavalos de Fão”, onde alguns acabaram por se perder. São conhecidos também sinistros resultantes da formação de densos mantos de nevoeiro, durante o verão, e inevitavelmente outros tantos provocados por vaga alterosa durante a passagem de violentos temporais. E da mesma forma terá de ser considerado o afundamento de navios mercantes por submarinos, em ambos os períodos das duas guerras mundiais, tal como antes, pela acção do corso, que no passado aterrorizou os marítimos do norte do país.

Este e outro património cultural previamente recolhido, encontra-se protegido através da entidade que tutela o respectivo património, i.e. a Direcção Geral do Património Cultural (DGPC), através do Centro Nacional de Arqueologia Náutica3057 02 e Subaquática (CNANS) – a tutela do território onde ocorrem os achados – Parque Natural do Litoral Norte (PNLN), Capitania do Porto de Viana do Castelo e a União de freguesias de Belinho e Mar – para além da tutela da segurança territorial – Polícia Marítima, Delegação Marítima de Esposende, GNR – Posto Territorial de Esposende e Subdestacamento de Controlo Costeiro de Esposende.

Por força deste extraordinário achado, neste ano, o grupo de investigação foi alargado, integrando especialista nesta área, casos da Doutoranda Maria Luísa Pinheiro Blot, Prof. Dr. Jean-Yves Blot, Prof. Dr. Luís Filipe Castro e Doutorando José António Bettencourt. Paralelamente o grupo conta com o valioso contributo de José António Samuel, desenhador naval e especialista em réplicas de embarcações quinhentistas. Uma nova infraestrutura logística apoia este projeto, constituida por uma biblioteca especializada (Centro de documentação) e por um laboratório de conservação – em rede com o Museu D. Diogo de Sousa (Braga), o Museu Marítimo de Esposende e o Gabinete de Arqueologia da Camara Municipal de Vila do Conde, três equipamentos que através de protocolo otimizam os recursos e o conhecimento de cada um – e a criação de um grupo de investigação permanente para o estudo e divulgação cultural, nos quais se destacam os consultores Prof. Dr. Carlos Alberto Brochado de Almeida, o Prof. Dr. Rui Morais, a Prof. Daª Helena Granja e os arqueólogos da autarquia de Esposende, Drª Ana Paula Almeida, Drª Ivone Magalhães e Rui Cavalheiro.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Tripulação mais jovem da Volvo Ocean Race terá Paul Cayard como monitor

Tripulação mais jovem da Volvo Ocean Race terá Paul Cayard como monitorO Team Alvimedica, barco de bandeira dos EUA e Turquia, será a equipe mais jovem da Volvo Ocean Race 2014-15. A tripulação, formada por velejadores com até 30 anos, terá o comando dos norte-americanos Charlie Enright e Mark Towill. A novidade foi a escolha de Paul Cayard, um dos maiores nomes da modalidade, que será uma espécie de mentor dos jovens atletas do Team Alvimedica. O ícone da vela mundial já participou de testes com a equipe em Cascais, em Portugal, base de treinos do time. “Escolhemos o lendário Paul Cayard, que venceu a regata de 1997-98, e é um dos grandes da vela. Ele sabe tudo sobre a Volvo Ocean Race e sobre a modalidade. É um especialista em oceano e em regatas curtas. Vale a pena absorver seus conhecimentos”, disse Charlie Enright.

Paul Cayard, como citou Enright, venceu a edição 1997-98 da regata a bordo do EF Language. Agora com o chancela de mais experiente e campeão, o velejador norte-americano quer passar seus ensinamentos ao time mais novo da Volvo Ocean Race. “Esses caras me fazem lembrar de quando comecei. Eles ainda estão ‘verdes’, mas estão abertos a aprender tudo o que podem. Foi importante esse período de testes em Cascais”. O velejador Paul Cayard, além da vitória na Volvo Ocean Race, já correu a America´s Cup e os Jogos Olímpicos.

“Esses meninos já mostraram coragem de sobra pra fazer essa campanha. Agora eles vão precisar de treinos para enfrentar essa aventura, por isso precisam pensar fora da caixinha, inovando. Foi assim que fizemos em 1998 com o EF Language, que foi flexível e se adaptou bem às regras. O Team Alvimedica está tomando o mesmo caminho”, finalizou Paul Cayard. A equipe ainda não foi 100% definida, mas certamente o Team Alvimedica pulou na frente ao escolher esse ícone da vela para se juntar ao time.

A Volvo Ocean Race começa em 4 de outubro com a primeira in-port race em Alicante, na Espanha, antes da primeira perna até a Cidade do Cabo, na África do Sul. A regata tem ao todo 38.739 milhas náuticas e termina em Gotemburgo, na Suécia.
Ler mais/Fonte: trilhaseaventuras.com.br