Monthly Archives: Outubro 2012

Outubro 2012

Foi marcado o primeiro tubarão-martelo-liso

Foi marcado o primeiro tubarão-martelo-lisoO primeiro transmissor via satélite foi colocado num tubarão-martelo-liso, Sphyrna zygaena, no passado dia 3 de setembro. No âmbito do projeto SHARK-TAG, apoiado pelo Oceanário de Lisboa, pretende-se marcar três tubarões-martelo-liso. Os transmissores estão a bordo de navios de pesca portugueses há já vários meses mas têm-se sentido algumas dificuldades na marcação desta espécie.

Finalmente foi capturado um macho que reunia as condições necessárias para receber o transmissor. Este indivíduo tinha cerca de 2,1 metros de comprimento total e cerca de 50 quilogramas.O processo de marcação realizou-se em pleno oceano Atlântico (ver localização no mapa) e nos próximos meses poder-se-á acompanhar os padrões de movimento deste indivíduo.

O transmissor colocado está programado para registar e armazenar dados relativos à profundidade, temperatura da água e posição geográfica, ao longo dos próximos três meses.Ao fim deste período o transmissor soltar-se-á, pelo que se espera obter os dados no início de dezembro. Ler mais/Fonte: Oceanário

 

Investimento público nos portos espanhóis ascende a 2.500 milhões de euros

Investimento público nos portos espanhóis ascende a 2.500 milhões de eurosA Ministra do Fomento do governo espanhol, Ana Pastor, anunciou esta terça-feira que a aposta nos investimentos portuários se centrará nas ligações ferroviárias e rodoviárias para os portos: “O investimento total (público e privado) nos portos, em referência ao período 2012-2015 – ascende a 5.500 milhões de euros; neste período faremos um esforço correspondente a um investimento de 2.500 milhões de euros de investimento público. “

LEIA A NOTÍCIA EM CASTELHANO

La ministra de Fomento, Ana Pastor, ha protagonizado este martes el foro El Ágora de El Economista, en el que ha adelantado que las inversiones portuarias de Fomento se centrarán en las conexiones ferroviarias y viarias de los puertos. Ana Pastor ha destacado la apuesta de su departamento por reforzar y mejorar la inversión privada en los puertos y ha matizado: “La inversión global (pública y privada) en los puertos –en referencia al periodo 2012-2015 – asciende a 5.500 millones de euros y para estos años vamos a hacer un esfuerzo con una inversión de 2.500 millones de euros de inversión pública”.

La ministra ha destacado el papel de los puertos, que están experimentando un crecimiento interanual superior al 7%, como verdaderos nodos logísticos y motores de la recuperación económica. “Priorizaremos las inversiones y seguiremos apostando por la conectividad ferroviaria y viaria” de los puertos, ha apuntado.
En su intervención, la responsable de Fomento ha anunciado para los próximos meses la puesta en marcha, por parte de Adif, de un nuevo modelo de colaboración público-privado en la red de fibra óptica, así como un nuevo modelo gestión de estaciones de ferrocarril y una reorganización de las líneas ferroviarias para antes del 31 de diciembre.

Poco ha querido concretar sobre los próximos Presupuestos Generales del Estado (PGE), de los que ha indicado que su departamento está ultimando los detalles, o sobre el Pitvi, reiterando su compromiso en presentarlo en primer lugar a los grupos parlamentarios. Lo que sí que ha manifestado es su objetivo de hacer compatible el Plan de Infraestructuras con los proyectos de las redes transeuropeas de transportes.
Ler mais/Fonte: El Vigia

 

ENVC – Grupo português confirma que vai apresentar proposta para compra da empresa

ENVC - Grupo português confirma que vai apresentar proposta para compra da empresaO único grupo português convidado pelo Governo para a reprivatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) vai avançar com uma proposta de compra da empresa, admitiu à agência Lusa fonte da dministração. “A nossa intenção é apresentar uma binding offer [oferta vinculativa]”, adiantou fonte da administração da Atlantic Shipbuilding Portugal, um dos quatro convidados a apresentar propostas formais de compra dos ENVC até 12 de outubro. Recorde-se que ainda em Setembro, aquele grupo, criado em 2012, assumiu a gestão dos Estaleiros Navais do Mondego, na Figueira da Foz. “Neste momento estamos a analisar a informação disponibilizada pelos consultores nomeados pela Empordef, no sentido de fundamentarmos a proposta a apresentar”, explicou ainda a fonte.

Se assim o entenderem, os quatro grupos que já demonstraram interesse na reprivatização dos ENVC, podem apresentar, até 12 de outubro, propostas vinculativas de compra do capital social da empresa. A segunda fase do processo de reprivatização dos ENVC arrancou a 07 de setembro, depois de selecionados quatro grupos finalistas, e prolonga-se até às 17:00 de 12 de outubro, num processo conduzido pela Empordef. Além do grupo português, foram convidadas mais três empresas – do Brasil, da Rússia e da Noruega – a avançarem com propostas concretas de aquisição. A Volstad Maritime (Noruega), constituída em 1952, é uma empresa especializada na construção de navios tecnologicamente avançados, nomeadamente de apoio às atividades “offshore”, como prospeção de petróleo. Responsável por operações marítimas no Brasil e na Argentina, a Rionave Serviços Navais, com sede no Rio de Janeiro, representa vários interesses dentro da área, desde armadores a construtores navais e também está na corrida.

O grupo JSC River Sea Industrial Trading, de origem russa, mas desconhecido no setor, fecha o lote de quatro empresas que reúnem condições para, segundo o Governo, prosseguirem para a última fase do processo de reprivatização dos ENVC. Contactados pela agência Lusa, nenhum dos três grupos estrangeiros comentou o interesse demonstrado na empresa de Viana do Castelo. O preço vinculativo apresentado para a aquisição das ações representativas de 95 por cento do capital social dos ENVC é um dos critérios de seleção desta “venda direta de referência”.

A “salvaguarda dos interesses patrimoniais do Estado”, nomeadamente no que respeita aos “fluxos financeiros” decorrentes do processo de venda e a “idoneidade, capacidade financeira, técnica e de execução” dos proponentes são também condições de seleção neste processo, segundo o Governo. A apresentação de um “adequado projeto estratégico”, tendo em vista o “desenvolvimento das suas atividades nos mercados nacional e internacional”, que “maximize a manutenção dos atuais recursos humanos” e contribua para a “manutenção da identidade empresarial e do atual património da empresa e para a sustentabilidade económico-financeira” dos ENVC são também condições estabelecidas no caderno de encargos.
Ler mais/Fonte: Lusa