Monthly Archives: Abril 2010

Abril 2012

«Sagres» condecorada com a Ordem de Cristo

«Sagres» condecorada com a Ordem de CristoO Navio-Escola SAGRES recebeu na segunda-feira, 12 de Março de 2012, na Base Naval de Lisboa, Alfeite, a visita do Presidente da República. Na ocasião, o Comandante Supremo das Forças Armadas condecorou o Navio-Escola Sagres com o grau de Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo, numa justa homenagem a um dos mais célebres navios portugueses de sempre por ocasião do duplo aniversário do navio: os 50 anos da sua aquisição por Portugal e os 75 anos da sua construção.

Cavaco Silva enalteceu a importância do navio, realçando que a SAGRES é um símbolo para todos nós. A cerimónia decorreu com a solenidade e simplicidade que o momento exigiu, tendo-se assim escrito mais uma página na já longa história do NRP SAGRES.
Ler mais/Fonte: Blog Ships & The Sea

 

Famílias de Ílhavo guardam pratas de Titanic

Famílias de Ílhavo guardam pratas de TitanicO “segredo” foi agora revelado num blogue por Ana Maria Lopes, antiga directora do Museu Marítimo de Ílhavo e detentora de seis colheres de prata, que confirmou a origem junto da RMS Titanic e motivou já a deslocação a Ílhavo de uma cadeia de televisão francesa.
“Os talheres foram [encontrados no interior] de um móvel que flutuava um mês e meio após o naufrágio e que foi recolhido pelo veleiro ‘Trombetas’, da Figueira da Foz, de que era capitão João Francisco Grilo, de Ílhavo. Quando chegou, entregou-os ao armador, que não se interessou muito, pelo que os repartiu por familiares e amigos”, explica Ana Maria Lopes.
É essa a proveniência das seis colheres de sopa que lhe pertencem, que foram oferecidas ao seu avô e que veio a herdar, juntamente com o resto do recheio e a casa onde habita.

Desde os nove anos de idade que os talheres e a história a que estavam ligados lhe eram familiares, por conversas da sua avó, quando limpavam e arrumavam “as colheres do Titanic”. Há outros casos na vizinhança, com a mesma proveniência: “há mais algumas famílias com colheres, e também já vi garfos. Uma senhora que mora perto de mim e não quer ser divulgada tem 17 peças, entre colheres iguais a estas, de sobremesa e garfos, porque o marido era neto do que achou [o móvel]”.
Durante praticamente um século, a existência dos talheres foi apenas do conhecimento restrito de familiares, embora houvesse rumores em Ílhavo sobre tais despojos. “Quem os detinha não gostava de falar. Cada um tinha o que tinha na sua casa e acabou, embora se comentasse haver umas colheres do Titanic”, explica. Até que, Ana Maria Lopes, por força das suas funções no Museu, deu mais atenção às colheres “que sempre estiveram lá em casa” e começou a investigar. “Vi que a história oral de Ílhavo tinha razão de ser, porque havia uma coincidência de datas e de rotas. Havia a memória de que os talheres tinham sido apanhados na ida dos navios para os pesqueiros, que era sempre por fins de Abril e meados de Maio, e o Titanic naufragou em 14 de Abril de 1912”, diz. Depara-se com o registo do regresso – a 27 de Outubro de 1912 – do ‘Trombetas’ que, segundo a tradição oral, terá recolhido o móvel com os talheres, e do ‘Golfinho’, de que era capitão o seu avô. A localização do Titanic, no fundo do mar, trouxe novo entusiasmo e foi à primeira exposição de artefactos do navio, em 1994, no Museu de Greenwich, mas só na terceira exposição, em Lisboa (2009), é que viu “talheres exactamente iguais”.

Seguiu-se um encontro na Costa Nova com Christopher Davino, da RMS Titanic, a quem mostrou as suas colheres e que as certificou. Eram de facto iguais, em prata maciça, com a estrela no cabo, símbolo da White Star Line, a punção da prata da época, e a indicação da Elkington Plate, uma joalharia inglesa famosa. A “descoberta” levou já uma equipa da France 3 a filmar três dias em Ílhavo para o programa “Thalassa”. Agora, Ana Maria Lopes espera que o Museu de que foi directora possa vir a receber uma exposição do Titanic. “Será que alguma vez teremos uma exposição do espólio do Titanic em Ílhavo? Acho que a terra portuguesa mais indicada para receber uma exposição é Ílhavo, no Museu ou noutro espaço público”, defende.
Ler mais/Fonte: Correio da Manhã

 

Economia do mar pode duplicar até 2020

Economia do mar pode duplicar até 2020João Fonseca Ribeiro, director geral de Política do Mar, afirmou segunda-feira que Portugal deverá duplicar os resultados da economia do mar até 2020 e que já está a ser trabalhada uma “conta satélite”.

“Os valores da fileira náutica não estão quantificados”, disse na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) sobre o projecto Náutica Espaço Atlântico 2, acrescentando que está a ser preparada uma chamada “conta satélite” para a economia do mar, envolvendo a Universidade Nova de Lisboa e o Fórum Empresarial da Economia do Mar. Referiu que, apesar de não ter disponíveis números atuais sobre o setor, Portugal deverá ser capaz de duplicar o atual produto até 2020, coincidindo com o final do próximo quadro comunitário de apoios.

A “conta satélite” para o setor do mar era uma das propostas de ação do fórum empresarial, incluída também no âmbito do Simplex do Mar, que adiantava que a “execução desta medida passa por reunir a informação já disponível na administração pública, tornando-a acessível a quem a pretenda utilizar e valorizar”. A iniciativa seria desenvolvida pela Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar em parceria com o INE e outras instituições públicas.
Ler mais/Fonte: Cargoedicoes.pt

 

Março 2012

Sagres: «Uma escola do mar para futuros oficiais»

Sagres: «Uma escola do mar para futuros oficiais»Actualmente, o navio-escola da Marinha de Guerra Portuguesa é, acima de tudo, um símbolo de Portugal no Mundo, onde quer que se encontre. Em entrevista ao Expresso, o actual comandante, Sardinha Monteiro, lembra, no entanto, que “a sua principal razão de ser é funcionar como escola de mar para todos os cadetes da Escola Naval, futuros oficiais da Marinha”.

“Um navio-escola como a ‘Sagres’, um veleiro, permite logo à partida um melhor conhecimento dos elementos meteorológicos. Aqui, tem de se tirar partido do vento e da ondulação para navegar da melhor forma possível”, explica. Sardinha Monteiro entrou pela primeira vez a bordo da “Sagres” em 1988 como cadete da Escola Naval para realizar a habitual viagem no final do segundo ano, durante a qual treinou a navegação astronómica. Como qualquer outro cadete, o actual comandante também subiu aos imponentes mastros do navio escola para ajudar na içar as velas.

A “Sagres” foi construída nos estaleiros da Blohm und Voss, em Hamburgo, em 1937, tendo, na altura, recebido o nome “Albert Leo Schlageter”. Era o terceiro de uma série de quatro navios encomendados pela Marinha alemã para combater na II Guerra Mundial. No final do conflito, o “Albert Leo Schlageter” coube aos Estados Unidos da América como despojo de guerra, tendo sido cedido ao Brasil em 1948, onde passou a chamar-se “Guanabara”, em homenagem à célebre baía do Rio de Janeiro. Em 1961, a “Guanabara” foi vendida a Portugal por 150 mil dólares (cerca de 115 mil euros ao câmbio atual), graças, segundo a Marinha portuguesa, “à ação empenhada” de Pedro Teotónio Pereira, ministro da Presidência do Estado Novo.

Segundo a Armada, a atual Sagres teve dois antecessores em Portugal com o mesmo nome: um navio inglês que, em meados do século XIX, serviu como navio escola no rio Douro e um outro navio de construção alemã que foi incorporado como português em 1924. Ao serviço de Portugal, a Sagres já cumpriu três viagens à volta do mundo e participou em eventos como a regata Colombo, em 1992, nas comemorações dos 450 anos da chegada dos portugueses ao Japão, em 1993, e nas celebrações por ocasião dos 500 anos do achamento do Brasil, em 2000. Já percorreu nas suas missões uma distância equivalente a quase 27 voltas ao mundo e visitou 60 países, tendo passado no total 17 anos fora de Lisboa.
Ler mais/Fonte: Expresso.pt

 

Tesouro de 3 mil milhões de dólares descoberto no fundo do oceano

Tesouro de 3 mil milhões de dólares descoberto no fundo do oceanoInvestigadores americanos descobriram no fundo do mar os destroços de um cargueiro britânico, com uma carga de platina avaliada em três mil milhões de dólares, que foi torpedeado durante a II Guerra Mundial, noticia o jornal “Boston Globe”.
A sociedade “Sub Sea Research”, sediada no estado norte-americano do Maine, localizou o SS Port Nicholson no fundo do oceano, a cerca de 50 quilómetros da cidade de Provincetown, no estado do Massachusetts, refere o jornal.

O Port Nicholson tinha partido de Halifax, no Canadá, em direcção a Nova Iorque quando foi torpedeado em 1942. Quatro pessoas morreram no naufrágio e 87 foram salvas. A “Sub Sea Research” descobriu o tesouro avaliado em três mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) em agosto de 2008 com a ajuda de um robot subaquático.

De acordo com os investigadores, pelo menos 30 caixas que estavam a bordo do cargueiro britânico contêm lingotes de platina, metal precioso cujo preço tem registado uma subida exponencial desde o ano 2000. “Há uma forte possibilidade de no fundo do mar se encontrarem também cerca de 10 toneladas de ouro e possivelmente alguns diamantes industriais”, disse Greg Brooks, um dos responsáveis da “Sub Sea Research”, ao jornal “Boston Globe”.
Acontece que o governo britânico coloca reticências quanto ao valor do achado, duvidando que o navio naufragado transportasse platina, avança por seu turno a CBS NEWS.
Ler mais/Fonte: RTP

 

700 quilos de amêijoa devolvidos ao rio Tejo

700 quilos de amêijoa devolvidos ao rio TejoA Polícia Marítima deteve segunda-feira um cidadão que foi presente ao Tribunal do Seixal ontem, dia 22, na sequência de uma operação de fiscalização à pesca ilegal de amêijoas no estuário do rio Tejo, anunciou a Marinha. Na mesma operação, realizada segunda-feira, foram autuados três mergulhadores e apreendidas quatro garrafas de oxigénio e dois fatos de mergulho.

O comunicado afirma ainda que foram a apreendidos 700 quilogramas de amêijoa, que “por se encontrar viva foi devolvida às aguas do rio”.
A operação envolveu um subchefe e doze agentes da Polícia Marítima, apoiados por uma embarcação semi-rígida e uma viatura.
Ler mais/Fonte: Marinha

 

Fevereiro 2012

Porto de Leixões – O melhor ano de Sempre

Porto de Leixões - O melhor ano de SempreO Norte exportador olha-se ao espelho do Porto de Leixões e recebe uma imagem muito lisonjeira. 2011, o ano zero da grande e terrível crise que ninguém sabe quando nem como acabará, foi o melhor ano de sempre daquela infraestrutura portuária. Até apetece citar o saudoso Fernando Pessa: “E esta, ein?!
No ano passado, o porto de Leixões bateu o recorde de mercadorias movimentadas (16,3 milhões de toneladas), o que representa um crescimento de 12%, o que é fantástico em ambiente de recessão.

Ainda por cima, este crescimento é virtuoso, porque é rebocado pelas exportações, que subiram 27,3%, e não pelas importações, que registaram uma progressão bastante modesta (2,7%) e são, no essencial, constituídas por matérias-primas que depois de receberem valor acrescentado nacional são reexportadas – a siderurgia importa sucata e exporta aço, a Portucel importa estilha (aparas de madeira) e exporta papel, a Galp importa petróleo e exporta gasolina e aromáticos, a Barbosa e Almeida importa casco de vidro e exporta garrafas e assim por diante.

Não importa o lado por que é analisado, o desempenho do porto é sempre positivo, com crescimentos significativos em todas as esferas de actividade: a carga geral fracionada aumentou 56% (sendo que dois terços desta progressão dizem respeito à exportação), os granéis sólidos 12% e a carga contentorizada 8%, o que permitiu ao porto estabelecer um novo máximo de 512 mil TEU (Twenty-foot Equivalent Unit, ou seja, o equivalente a um contentor de 20 pés).
Ler mais/Fonte: Dinheiro Vivo

 

Sines recebe mais um megacarrier em viagem inaugural

Sines recebe mais um megacarrier em viagem inauguralO Terminal XXI do Porto de Sines recebeu, dia 24 de Janeiro, a viagem inaugural do porta-contentores “MSC Cristina”, um gigante dos mares com capacidade para transportar 13.092 TEU.
Construído na Coreia do Sul, o navio saiu dos estaleiros em Dezembro de 2011, ficando inserido no serviço regular da MSC–Mediterranean Shipping Company que liga o Extremo Oriente à Europa, onde Sines é o primeiro porto a ser escalado.

Proveniente de Chiwan, na República Popular da China, este porta-contentores movimentou 2.881 TEU no Terminal XXI do Porto de Sines, antes de continuar a sua viagem com destino ao porto francês de Le Havre. O Terminal XXI, com as condições operacionais que oferece, é a única infraestrutura portuária nacional capaz de receber este tipo de navios. O “MSC Cristina” apesenta um comprimento de 366,4 metros, boca de 48,2 metros, exigindo um calado máximo de 15,5 metros.

Como é habitual nestas ocasiões, a Administração do Porto de Sines ofereceu uma placa comemorativa ao comandante do navio, com a referência à escala do “MSC Cristina” no Porto de Sines, na sua viagem inaugural.
Ler mais/Fonte: Porto de Sines

 

Molhe norte do porto de Aveiro prossegue a bom ritmo

Molhe norte do porto de Aveiro prossegue a bom ritmoAs obras de prolongamento do molhe norte do porto de Aveiro prosseguem a bom ritmo e a contestação ao concurso em tribunal não interrompeu o arranque dos trabalhos, confirmou José Luís Cacho à Rádio Terranova.

“É uma obra considerada prioritária para o futuro da acessibilidade marítima. Trata-se de um investimento de 26 milhões de euros nas obras de dragagem e prolongamento do molhe norte com fundos da Administração do Porto de Aveiro e fundos comunitários”, referiu o presidente do porto.

Com a obra será permitido alargar a operação do porto com navios acima dos 150 metros de comprimento até um máximo de 200 metros. José Luís Cacho confirma o avanço da obra com camiões no terreno, transporte de pedra e colocação de guindastes em São Jacinto.

“A obra já começou em Dezembro. Foi feita a consignação em Dezembro e os trabalhos estão a decorrer dentro da normalidade. O processo segue trâmites legais normais e não há nada a dizer sobre isso”, referiu o presidente do porto de Aveiro.
Ler mais/Fonte: Cargo Edições

 

Janeiro 2012

Câmara encontrada no oceano é devolvida ao dono

Câmara encontrada no oceano é devolvida ao donoUm mergulhador canadiano encontrou recentemente uma máquina fotográfica no fundo de uma baía de Vancouver, Canadá. A máquina tinha estado mais de um ano debaixo da água mas as fotos do cartão SD estavam intactas pelo que o mergulhador tentou, com sucesso, encontrar o dono da máquina, recorrendo à ajuda das redes sociais.

Uma das coisas que pode estragar umas férias é perder a máquina fotográfica onde ficaram registados os melhores momentos. E nem todos terão a sorte do seu equipamento ser encontrado por alguém como o canadiano Markus Thompson que depois de encontrar a máquina digital e de extrair as fotos, se empenhou em encontrar o respetivo dono.

Recorrendo à rede social Google +, Thompson publicou algumas fotos da máquina encontrada e descreveu também a família que aparecia nas fotografias do cartão SD, que seria aparentemente composta por um bombeiro, a sua mulher e uma filha de dois anos. As publicações foram partilhadas e comentadas por milhares de pessoas e, em poucos dias, o dono do equipamento perdido foi identificado por um dos utilizadores. Segundo informação publicada no Google +, o dono original da máquina é o bombeiro canadiano Graham MacKenzie, que pode agora, depois de um ano e alguns meses de espera, ver as fotos da sua viagem de família.
Ler mais/Fonte: Markus Thompson

 

Fundo de investimento vai financiar novos negócios no sector do mar

Fundo de investimento vai financiar novos negócios no sector do mar A economia do mar vai contar com um fundo de investimento vocacionado especificamente para o sector. O propósito foi avançado por Nuno Fernandes Thomaz, administrador executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que revelou ainda que este veículo financeiro destinado a apoiar novos projectos empresariais ligados ao mar terá o banco do Estado como “sponsor”.
“O ‘Fundo do Mar’ é algo que tem estado na forja desde há já algum tempo. Trata-se de estruturar um veículo temático, através do qual seja possível atrair investimentos para aplicar no sector marítimo”, explicou Nuno Fernandes Thomaz ao Negócios.

O administrador da CGD, que participou na conferência “Economia do Mar – Uma parceria para a competitividade”, organizada em conjunto por aquele banco e pelo Negócios, lembrou, de resto, que neste campo da economia as áreas onde é possível apostar são múltiplas, pelo que quando se fala em investimentos neste área deve pensar-se em realidades tão distintas como a da náutica de recreio, dos transportes marítimos ou da aquacultura.
“Há inúmeros subsectores em que é possível investir, como o comprovam os vários estudos que têm sido feitos no sector, designadamente aquele em que o professor Ernâni Lopes identificou o ‘Hypercluster da Economia do Mar’, bem como a ‘Estratégia Nacional para o Oceano’, trabalho coordenado pelo dr. Tiago Pitta e Cunha. São estudos que indicam muitos destes subsectores que têm grande potencial em termos de negócios. A ideia seria passar à acção através de um veículo financeiro dessa natureza”, explicou o mesmo responsável.

Projecto já equacionado pelo Fórum Empresarial do Mar o propósito de criar um fundo de investimento foi já antes avançado pelo Fórum Empresarial do Mar, pelo que o administrador executivo da CGD defende a conjugação de vontades em torno deste projecto. “Portugal é um país pequeno e que tem que unir esforços. Portanto, se vai haver este projecto, todos nos uniremos ou deveremos unir à volta do mesmo. Neste âmbito, a CGD funcionará como um ‘sponsor'”, disse Nuno Fernandes Thomaz.
O banco do Estado funcionaria, deste modo, como patrocinador e investidor neste veículo financeiro, juntando-se aos vários privados que, segundo este ex-secretário de Estado dos Assuntos do Mar, já mostraram interesse em participar no fundo.

“Já sabia desse interesse antes de assumir funções na Caixa, mas mais recentemente fui contactado por investidores, pessoas que conheço da comunidade dos operadores de mercado, e que estão interessados em apostar no sector da economia do mar. Este fundo seria um dos veículos possíveis para fazer esses investimentos”, evidenciou.
Será este um novo posicionamento da instituição financeira, tendo em conta o despertar, patrocinado pelo Chefe de Estado, para a importância deste sector? O administrador executivo da CGD não encontra uma razão de causa efeito entre a defesa da economia do mar por Cavaco Silva e as apostas feitas pelo banco do Estado. Conforme adiantou, este interesse não é de agora.

“Desde há muito que a Caixa tem sido uma entidade financeira a querer a facilitar o investimento na economia marítima. Este ‘Fundo do Mar’ nada tem que ver com esta nova mudança. É sim uma continuidade. Sobretudo agora, num momento em que procuramos dar força às empresas de bens transaccionáveis e voltar a ter um sector produtivo”, concluiu Nuno Fernandes Thomaz.
Ler mais/Fonte: portugalglobal.pt

 

Portugal e Líbia vão assinar memorando para formação militar e construção naval

Portugal e Líbia vão assinar memorando para formação militar e construção navalPortugal vai assinar um memorando de entendimento com a Líbia no domínio da construção naval e da formação militar, tendo o ministro da Defesa português defendido que “é muito importante restaurar” a cooperação com este país nesta nova fase.

“”É muito importante nesta nova fase restaurar os laços de cooperação com a Líbia e, a esse nível, foi possível definirmos algumas linhas de orientação para o futuro, que serão objecto de um memorando que será feito por Portugal e que visa, por um lado, a formação de líbios em Portugal na área militar, e também nas indústrias navais, nomeadamente ao nível da construção naval, porque a Líbia precisa de recuperar a sua estrutura que durante a guerra foi destruída”, afirmou José Pedro Aguiar-Branco.

O governante português falava aos jornalistas em Nouakchott, na Mauritânia, depois de um encontro com os ministros da Defesa da “Iniciativa 5+5”. No sábado à noite, pouco depois de chegar ao país, Aguiar-Branco manteve uma reunião bilateral com as autoridades líbias presentes, no sentido de “alinhavar pontos de cooperação nesta nova fase da Líbia”. O memorando, especificou Aguiar-Branco, “será enviado” por Portugal brevemente.

Nesta visita à Mauritânia, o ministro veio acompanhado pelo diretor-geral de Política de Defesa, Luís Faro Ramos, e pelo seu adjunto diplomático. Já questionado sobre o processo de escolha do novo chefe do Estado-Maior do Exército, cujo nome deve ser conhecido esta semana, o ministro disse que “o Governo já tem a sua posição”. O substituto do general Pinto Ramalho, que deixa o cargo ao fim de cinco anos, deverá ser o general Pina Monteiro, atualmente colocado na sede da NATO, em Bruxelas, como representante militar.
Ler mais/Fonte: Diário de Noticias

 

Dezembro 2011

Porto de Faro reforça capacidade exportadora do Algarve

Porto de Faro reforça capacidade exportadora do AlgarveA exportação de materiais de construção de elevada qualidade, produzidos no Algarve, para o arquipélago de Cabo Verde e para o Norte de África está a ser, esta semana, reforçada com as escalas de dois navios de carga no Porto de Faro.

O navio N/M Zelek Star carregou 4700 tons de cimento e 24 tons de cimento cola, com destino ao Porto do Mindelo em São Vicente – Cabo Verde. Neste final de semana, 3000 tons de cimento e 770 tons de telha lusa serão estivados nos porões do N/M Burhan Dizman II e transportados para o Porto de Tenes, na Argélia.

Desde o início do segundo semestre de 2011, os Portos do Algarve têm intensificado as relações comerciais com a bacia do mediterrâneo e com as ilhas atlânticas da macaronésia, da Madeira, Canárias e Cabo Verde, com o Porto de Faro a ganhar uma importância acrescida no contexto dos portos comerciais nacionais.
Ler mais/Fonte: cargoedicoes.pt

 

Portugal vai receber grande parte dos 4,5 mil milhões da UE para investir no Atlântico

Portugal vai receber grande parte dos 4,5 mil milhões da UE para investir no AtlânticoA comissária europeia para os assuntos Marítimos e Pescas disse esta semana que a Europa previa gastar, entre 2007 e 2014, 4,5 biliões de euros no Oceano Atlântico, a que acrescem 16 milhões de euros para energias marítimas renováveis.

«Grande parte desse valor da Comissão Europeia virá para Portugal», afirmou Maria Damanaki aos jornalistas durante a conferência do Atlântico, acrescentando «haver a perspectiva de que o montante, numa segunda fase, seja ainda mais elevado». Uma decisão a ser tomada nos próximos dias, referiu.

A responsável adiantou ainda que é fundamental para a Europa avançar com uma política de pesca responsável e sustentável e anunciou a criação de uma linha de crédito para projectos de aquacultura, disponível também para o nosso país. Maria Damanaki, salienta que estas duas medidas têm por objectivo combater a elevada taxa de importação de peixe proveniente de países como a China e Vietname, que anualmente aumentam em 10 por cento a suas produções em aquacultura.

«Sessenta a 80 por cento do peixe que consumimos é importado. É uma situação que não podemos aceitar. É necessária uma reforma para avançar em direcção a uma pesca responsável. Além disso, iremos criar uma nova linha de financiamento para impulsionar projectos de aquacultura, disponível também para Portugal», afirmou a comissária. Sobre a estratégia marítima apresentada pela Comissão Europeia para o Atlântico, Maria Damanaki adiantou que esta «vai aproveitar as especificidades do oceano e avançar com um plano concreto de acção» para «se obter um crescimento sustentável e a criação de mais emprego, muito importante nesta altura de crise».
Ler mais/Fonte: normark.pt

 

 

Glossário Náutico por Rui Salvador

Glossário Náutico por Rui SalvadorPalavras do autor: “Ao longo do meu percurso de leitor, habituei-me a pesquisar e anotar o significado de termos desconhecidos existentes num qualquer texto. O mesmo aconteceu com a leitura da obra “A Caravela Portuguesa e as Navegações Henriquinas” do Comandante de Marinha, Quirino da Fonseca e a pesquisa resultou na elaboração de um pequeno folheto que anexei à referida obra. Mas como o interesse no tema era grande, a pesquisa não se ficou pela referida obra e partiu para “Além-mar”, i.e., iniciei uma procura de todos os termos relativos ao mar e à navegação marítima, nomeadamente termos referentes ao navio (sua composição e estrutura) e à navegação, de vários tipos: recreio, mercadorias, cruzeiro, militar, desportiva, etc. Entretanto nesta busca, a obra seguiu o rumo de introduzir o maior número de termos que fosse possível encontrar bibliograficamente acerca dos assuntos do mar.”

“Assim, este glossário “navega pelos mares” das: Geografia; Meteorologia; Construção Naval; Pesca; Ictiologia; Direito do Mar; Ambiente; Navegação; Náutica; Aeronáutica; Astronáutica; Tecnologia Naval e Estruturas e Organizações, públicas e privadas, relativas ao mar ou à navegação. Após pesquisa efectuada no mercado editorial, verifiquei a existência de algumas obras neste âmbito, umas com referências a termos náuticos actuais (em 1990) e antigos, outras com traduções em várias línguas, mas nenhuma com o leque de temas náuticos tão vasto quanto este “Glossário Náutico”, apesar de não considerar esta, uma obra completa até porque, com o constante desenvolvimento tecnológico a que o mundo assiste diariamente, seria praticamente impossível considerá-la como tal.
Estamos portanto na presença de uma obra que será sempre alvo de revisão, mas que neste momento é a mais actual. Eis o “Glossário Náutico”.”
Pode adquirir na: amazon.com

 

 

Novembro 2011

Lancha de Pilotos «João Vaz Corte-Real» capa da revista Maritime Journal

Lancha de Pilotos «João Vaz Corte-Real» capa da revista Maritime Journal A prestigiada revista internacional Maritime Journal escolheu para capa uma foto da lancha de Pilotos “João Vaz Corte-Real” ( Velas), constando também no seu interior um artigo sobre as quatro lanchas que estão a ser construídas no estaleiro irlandês Safehaven Marine, lanchas destinadas aos portos de Velas, Horta, S. Roque e Flores.
Ler mais/Fonte: O Porto da Graciosa

 

 

 

 

 

 

Atlânticoline alterou especificações dos novos navios para o grupo Central

Atlanticoline Os novos barcos que vão operar no Grupo Central dos Açores serão maiores do que o previsto, mas também terão motores mais lentos. O novo caderno de encargos reduz em dois nós a velocidade de serviço dos barcos e também a potência dos motores. A Atlânticoline justifica as alterações com a necessidade de poupar combustível.

O primeiro concurso ficou deserto, por isso a Atlânticoline, a empresa pública que gere o transporte marítimo, alterou as regras. A velocidade máxima dos barcos, que antes deviam atingir 16 nós e meio a 100 por cento das máquinas, foi reduzida em apenas meio nó, alegadamente para poupar combustível. Carlos Reis, presidente do Conselho de Administração da Artlânticoline, reconhece que a maior redução verifica-se na velocidade de cruzeiro dos novos barcos, que baixa de 16 para apenas 14 nós. A potência dos novos barcos poderá ser também inferior. O primeiro caderno de encargos determinava que os barcos deveriam operar, a maior parte do tempo, entre 85 a 100 por cento da sua capacidade máxima.

 

Uma exigência agora reduzida para menos de metade da potencia a 80% do tempo. Carlos Reis diz que não é na velocidade, mas sim nas manobras, que é preciso maior potência. Alterações técnicas que, a juntar ao aumento em três metros de comprimento nos novos barcos, deverá torná-los mais lentos. Os atuais cruzeiros, recorde-se, atingem velocidades na ordem dos 12 a 13 nós.
Ler mais/Fonte: RTP Açores

 

 

Tavira espera que obra do porto de pesca esteja no PIDDAC 2012

Gilao-450x300A Câmara Municipal de Tavira aguarda com expectativa que a obra do porto de pesca da cidade esteja incluída no PIDDAC (Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central) para o próximo ano, com verba suficiente para que possa ser adjudicada a empreitada.

Jorge Botelho, presidente da Câmara de Tavira, diz ter «informações seguras» de que a obra está contemplada no PIDDAC, mas desconhece com que montante, uma vez que esse programa, parte integrante do Orçamento de Estado, ainda não foi divulgado pelo governo.

 

«Foi uma luta muito grande que tivemos com o anterior governo, para que fizesse a abertura do concurso público para esta obra», da responsabilidade do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM), disse Jorge Botelho ao Sul Informação. Mas o concurso fez-se e agora «estamos na fase de adjudicação. Há uma empresa selecionada, mas é preciso que este governo confirme o avanço da obra, inscrevendo dinheiro para ela no PIDDAC», acrescentou o autarca.
Ler mais/Fonte: Sul Informação

 

 

Outubro 2011

Localizada carga de navio britânico afundado com 220 toneladas de prata

Localizada carga de navio britânico afundado com 220 toneladas de prataSegundo a Odyssey Marine Exploration, a recuperação da carga deste navio, que será o maior tesouro submarino alguma vez encontrado, deverá começar na Primavera de 2012. Uma sociedade norte-americana anunciou que foi localizada e identificada a carga de um navio britânico afundados pelos alemães em 1941 com 220 toneladas de lingotes de prata.

De acordo com um comunicado da Odyssey Marine Exploration, este será o tesouro submarino mais valioso alguma vez encontrado. «Terminámos a primeira fase do projecto, a localização e identificação da carga e agora trabalhamos na fase da recuperação», explicou Andrew Craig, citado nesta nota.

Segundo esta sociedade, a recuperação desta carga, que está a 4700 metros de profundidade ao largo da Irlanda no Oceano Atlântico, deverá começar na Primavera de 2012. A localização da carga do Gairsoppa, um navio de 125 metros de comprimento afundado em Fevereiro de 1941 quando vinha da Índia, foi feita através de submarino teleguiado. Dos 85 passageiros que se encontravam neste navio quando este foi atingido por um submarino alemão, apenas um conseguiu sobreviver depois de 13 dias em alto mar. Ler mais/Fonte: TSF

 

 

Volkswagen Aqua Concept Car Design

Volkswagen Aqua Concept Car DesignO chinês Yuhan Zhang, formado pela Xihua Universty em design industrial, com apenas 21 anos, criou um conceito futurista de um veículo híbrido para a Volkswagen.

Impulsionado por uma turbina de hidrogénio, a proposta do conceito é um veículo que se adapte a qualquer terreno chinês. Que consiga andar em lagos, rios, águas costeiras, estradas, zonas húmidas e neve. Ler mais/Fonte: AutoShoppingGuarulhos

 

 

Frota global contará com navios maiores

Frota global contará com navios maioresDe acordo com a Alphaliner, em meados de Agosto, 133 novos porta-contentores iniciaram serviços este ano, trazendo a frota global para 4.900 navios, o que representa uma capacidade de 15 milhões de Teus. Indica também que outros 659 porta-contentores, apresentando capacidade de outros 4,5 milhões de Teus, estão prontos a ser entregues. Ler mais/Fonte: ConexãoMaritima

 

Setembro 2011

Tubarões avistados no Algarve são boa notícia para a costa portuguesa

Tubarões avistados no Algarve são boa notícia para a costa portuguesaO avistamento de dois tubarões no Algarve é boa notícia porque significa que a costa portuguesa está rica em peixe, diz ao PÚBLICO Élio Vicente, biólogo do Zoomarine do Algarve, reagindo à notícia do avistamento de dois animais numa praia em Vila do Bispo, que fez com que os banhistas fugissem da água. Os tubarões, de espécie desconhecida, foram vistos na praia do Zavial, na costa Sul, em Vila do Bispo, pouco depois das 17h30.

Os animais foram primeiro confundidos por golfinhos, mas depois confirmou-se que eram tubarões. De acordo com a Lusa, os nadadores-salvadores da praia mandaram os banhistas sair da água, incluindo três pessoas que estavam a fazer caça submarina. O acontecimento gerou um certo pânico e ninguém voltou ao mar, mesmo depois de os animais se afastarem da praia e desaparecerem.

“Estes animais sempre estiveram nas nossas águas, normalmente as pessoas não vêem, mas eles estão lá”, disse Élio Vicente. “Representam tanto um risco quanto um cão desconhecido no quintal do vizinho”, explicou o biólogo, acrescentando que se deve usar a precaução e sair da área em função de cada situação, mas explicou que os nossos tubarões alimentam-se de peixes e não de mamíferos marinhos e por isso “não representam perigo”. E acrescentou que “mais rapidamente no Algarve uma pessoa será ferida por golfinhos do que por tubarões”. Ler mais/Fonte: Público

 

 

Os portos mais movimentados do Brasil e do mundo

Os portos mais movimentados do Brasil e do mundoExistem mais de 2000 portos no mundo, desde aqueles com apenas um berço (espaço para um navio) que movimenta algumas centenas de toneladas por ano, até aos portos multi-tarefa que movimentam mais de 300 milhões de toneladas por ano. No Brasil há 41 portos marítmos e 16 portos fluviais.

o mundo todo, 36% do tráfego nos portos é de produtos a granel líquido (óleo, derivados de petróleo e químicos), 24% de granéis secos (carvão, ferro, grãos, bauxita e fosfato) e 40% de cargas variadas.

Durante as últimas décadas, o uso de contêineres para transporte de carga aumentou constantemente. Contêineres são grandes caixas de metal feitas em tamanho padrão em múltiplos de 20 pés (6 metros) chamadas twenty foot equivalent units (unidades equivalentes a 20 pés – TEUs). No ano de 2003 a produção de contêineres alcançou 20 milhões de TEUs, e a China foi responsável por mais de 90% desse resultado. O transporte usando containers apresenta diversas vantagens: o produto precisa de menos embalagens, eles evitam alguns danos, e eles promovem uma alta produtividade em diversas etapas de manuseio e transporte. Ler mais/Fonte: ComexBlog

 

 

Novo cais de acostagem no Seixal

Novo cais de acostagem no SeixalA 1ª Fase da empreitada de recuperação do Cais de Pedra do Seixal está concluída. A intervenção integra o projecto da Estação Náutica Baía do Seixal, que inclui os Núcleos de Náutica de Recreio do Seixal e Amora.

A obra está prevista no Programa de Regeneração e Valorização da Frente Ribeirinha Seixal/Arrentela, um investimento de 12 milhões de euros, dos quais 3,5 milhões são comparticipados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), sendo o restante valor suportado pela CM Seixal.

A 1ª fase da recuperação do Cais da Pedra, no valor de 160 mil euros, financiados pela autarquia do Seixal e pelo POR (Programa Operacional Regional) Lisboa, teve início em Março de 2011 e integrou a criação de intra-estruturas de suporte à actividade náutica, salvaguardando as características naturais da Baía do Seixal. Ler mais/Fonte: Rostos.pt

 

Agosto 2011

AMERICAS’S CUP anima Cascais
Portugal é o ponto de partida para a 34ª edição da prova

americasPortugal recebe, pela primeira vez, uma das mais importantes provas náuticas a nível mundial. Cascais é o ponto de partida para a 34ª edição da America’s Cup World Series.

É a competição desportiva mais antiga e uma das mais importantes do calendário desportivo. Os barcos mais rápidos do mundo e os melhores velejadores da actualidade estão por estes dias em Portugal (de 6 a 14 de Agosto). Ler mais/Fonte: Video TVI

 

 

«Retorno da America’s Cup em Cascais é óptimo»

monteiro_barrosNem a provável saída de dois barcos por dificuldades financeiras abala o optimismo de um anfitrião da prova.

Patrick Monteiro de Barros será um dos anfitriões da America’s Cup World Series, cuja prova de abertura decorre em Cascais de 6 a 14 de Agosto. As datas é que “precisam de ser ajustadas para arranque a 15 de Junho ou 15 de Agosto, evitando-se as tempestadas de sudoeste”, diz o experiente velejador.

Ler mais/Fonte: Diário Económico

 

Tesouros subaquáticos ameaçados no Arade

tesouro_aradeAs centenas de achados arqueológicos que já foram identificados mas subsistem no fundo do rio Arade estão ameaçados.

O perigo vem das âncoras das embarcações, da constante mobilidade das areias, das fortes correntes, mas também da falta de apoios para estudar e resgatar a abundância de vestígios perdidos no fundo do rio, que percorrem todas as épocas e podem vir a contar a história da região.

Ler mais/Fonte: Jornal do Algarve

Julho 2011

Xangai supera Singapura em movimento mundial de carga

Xangai_Donghai_BridgeA China não se teria tornado o maior exportador do mundo sem os seus portos e nenhum deles retrata tão bem a rapidez da transformação da infra-estrutura do país como porto de Yangshan, que ajudou Xangai a ultrapassar Singapura e a transformar-se na cidade com maior movimentação de carga do mundo em 2010.

Inaugurado em dezembro de 2005, Yangshan foi construído em inacreditáveis dois anos e meio, incluindo a ponte de 32,5 km de extensão e 31,5 metros de largura que liga o porto ao continente – a Rio-Niterói tem 13,29 km e demorou cinco anos para ser concluída, no período áureo das megaobras brasileiras.

Chamada de Donghai, a ponte é a segunda mais longa do mundo sobre o mar, perdendo apenas para outra construção vizinha, sobre a baía de Hangzhou – com 35,67 km, ela liga o próspero Delta do Rio Yangtzé ao porto de Ningbo, quarto maior da China. Com investimento total estimado em US$ 14 bilhões, Yangshan foi planejado em distintas fases e estará totalmente concluído em 2020, quando deverá ter capacidade anual para 15 milhões de contêineres. Em cada um dos últimos cinco anos, o movimento no porto teve aumento médio de 32,5% e alcançou o total de 10 milhões de contêineres em 2010, o equivalente a um terço da carga total de Xangai, que possui outros dois portos.

O planejamento de longo prazo, típico das autoridades chinesas, já prevê a expansão de Yangshan para uma ilha vizinha depois de 2020, caso fique claro que sua capacidade futura não será suficiente para atender a demanda. Nas últimas duas décadas, a China passou por uma revolução em sua infraestrutura, com pesados investimentos na área de transporte, que permitiram a emergência do país como a nova “fábrica do mundo”. Segundo estatísticas da empresa Containerisation International, em 1989 não havia nenhum representante chinês entre os 20 maiores portos de contêineres do mundo.

Ler mais/Fonte: Epocanegocios

 

Economia do mar responde por mais de 5% do PIB

economia_do_marOs negócios que têm directa e indirectamente a ver com o mar devem responder por mais de 5% do PIB português – o que os coloca num patamar próximo dos 8 mil milhões de euros, segundo dados não definitivamente coligidos mas possivelmente “conservadores” de Rui Azevedo, director executivo da Oceano XXI – Associação Para o Conhecimento da Economia do Mar, que organizou, no últimos quatro dias e em parceria com a Associação Empresarial de Portugal, o Fórum do Mar.

Conservadores ou não, o certo é que o potencial do cluster do mar – parte dele aparentemente nunca dantes navegado – “é imenso” e, grosso modo, divide-se em duas áreas diversas: a dos negócios tradicionais; e a dos negócios emergentes.

Para Rui Azevedo, importa ao País não abrir mão de qualquer das duas vertentes: a primeira porque encerra riquezas já bem conhecidas (desde a pesca até ao turismo, passando pela actividade portuária ou a reparação de navios); e a segunda porque esconde um potencial previsivelmente ainda maior, mas que é preciso desvendar.

Ler mais/Fonte: Diário Económico

 

Governo admite renegociar concessões portuárias

porto_contentorNo capítulo dedicado ao sector dos portos, o Programa de Governo compromete-se a “avaliar e renegociar, sempre que tal se justifique, os contratos de concessão existentes tendo em vista a redução do custo da movimentação das cargas, quer na exportação, quer na importação”.

Também pretende “melhorar o modelo de governação do sistema portuário”, mas sem confirmar se tal passa pela criação de uma “holding” que junte os maiores portos portugueses. E como já consta do memorando assinado com a troika, vai igualmente “rever e modernizar o quadro jurídico que rege o trabalho portuário, tornando-o mais flexível e coerente com as disposições do Código do Trabalho”.

De resto, ainda na área portuária, o Programa de Governo compromete-se a “melhorar a efectiva integração dos portos no sistema global de logística e Transportes”, a “prosseguir e intensificar a modernização tecnológica dos instrumentos de gestão portuária, tendo em vista aumentar a eficiência dos portos portugueses (Janela Única Portuária, Janela Única Logística, etc. )”, e a “melhorar a atractividade dos portos portugueses, com vocação adequada, para o reforço da captação dos fluxos turísticos internacionais, promovendo a existência de terminais de cruzeiro”.

Ler mais/Fonte: Jornal de Negócios